quinta-feira, 3 de maio de 2012

Seca na Bahia

Seca na Bahia é a maior dos últimos 47 anos, diz secretário da Casa Civil

Segundo Rui Costa, 25% da produção agrícola no estado foi perdida.
Ele vai viajar amanhã para Brasília e pedir rapidez na liberação de verbas.

Seca Bahia (Foto: Eduardo Oliveira/Arquivo Pessoal)
Seca provoca a morte de animais de pequenos
pecuaristas em Serrinha (Foto: Eduardo Oliveira/
Arquivo Pessoal)
A seca que atinge a Bahia já é considerada a mais intensa dos últimos 47 anos e está provocando reflexos na produção agrícola e pecuária do estado. A falta de chuva e a escassez de água nos leitos de alguns rios provocou a perda de 25% do que foi plantado, de acordo com Rui Costa, secretário da Casa Civil e coordenador do Comitê Estadual para Ações Emergenciais de Combate à Seca. Ao todo, 220 cidades decretaram situação de emergência e 209 foram homologados pelo governo estadual, de acordo com o Diário Oficial do Estado desta quarta-feira (2).
Segundo o Companhia de Engenharia Ambiental e Recursos Hídricos da Bahia, a seca registrada no estado em 1965 tem características semelhantes ao atual período de 2012 (veja o mapa abaixo). "As manchas indicadas nos mapas mostra que estamos passando por uma situação semelhante da que foi registrada naquela época", disse Costa.
O coordenador do comitê participou de uma reunião com representantes de todas as secretaria de estado para discutir os últimos problemas provocados pela seca na Bahia. Ele afirmou que viaja nesta quinta-feira (3) para Brasília, onde se reúne na Casa Civil para pedir mais rapidez na liberação de verbas para combater a seca.
Em abril, o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho, anunciou que o governo federal vai disponibilizar R$ 2,723 bilhões para ações emergenciais de combate a seca e ajuda às populações atingidas pela estiagem no Nordeste e em Minas Gerais.
"Cerca de dois terços do estado, quase 63% do território baiano está no semi-árido. Nesta região é comum chover durante os meses de novembro a março. Mas tem cidades que não viram água da chuva desde março de 2011", disse Costa.
Glauco Araújo Do G1, em São Paulo
Postar um comentário